search

Responsabilidade Penal dos Dirigentes de Organizações

€28.50
€25.65 Save 10%
VAT included DELIVERIES IN 2 TO 3 BUSINESS DAYS
Quantity

  SAFE PAYMENT

Secure payments directly managed by banks. ATM, MBWay and Paypal available.

  FREE SHIPPING FROM 25€

Deliveries in 2 to 3 business days (except holiday period).

  CUSTOMER SUPPORT

We are available to clarify all your doubts.

A responsabilidade penal de dirigentes de organizações por factos cometidos por colaboradores e funcionários releva no âmbito da criminalidade na empresa e dos crimes do Direito Penal internacional. Entre nós, o Regime Geral de Prevenção da Corrupção intensificou o interesse de práticos e académicos pela responsabilidade penal e contra-ordenacional (cumulativa) dos dirigentes de organizações complexas, maxime do top management e do Compliance Officer, atento o disposto no respectivo artigo 21.º/4, que responsabiliza os titulares do órgão de administração, os dirigentes das pessoas colectivas, o responsável pelo cumprimento normativo e os responsáveis pela direcção ou fiscalização de áreas de actividade em que seja praticada alguma contraordenação, “quando pratiquem os factos ou quando, conhecendo ou devendo conhecer a sua prática, não adotem as medidas adequadas para lhes pôr termo imediatamente”.

ÍNDICE

Sumário Geral
Capítulo I – Domínio do Facto, Organizações Complexas e Autoria dos Dirigentes
1. Introdução: execução de um facto punível através de actos parcelares atípicos em contexto de repartição de tarefas
2. Domínio do facto e criminalidade de empresa
3. Propostas de adaptação da teoria do domínio do facto às organizações complexas
3.1. Autoria mediata por domínio de um aparelho organizado de poder (Claus Roxin)
3.1.1. As quatro condições da figura
3.1.2. Extensão às organizações empresariais?
3.1.3. Compatibilidade da autoria mediata com a plena responsabilidade do executor?
3.1.3.1. O problema
3.1.3.2. Primeira versão do pensamento de Claus Roxin
3.1.3.3. Segunda versão do pensamento roxiniano
3.1.4. Inadequação da figura para resolver o problema da autoria do dirigente sem ajustamentos ao princípio da responsabilidade do executor
3.2. Autoria mediata por subordinação voluntária do executor à decisão e vontade do homem-de-trás
3.2.1. O Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça de Fixação de Jurisprudência n.º 11/2009
3.2.2. A construção de Maria da Conceição Valdágua
3.2.3. Punibilidade da tentativa de “autoria mediata”?
3.3. Instigação como autoria (Jorge de Figueiredo Dias)
3.3.1. Dificuldades dogmáticas da instigação-autoria
3.3.1.1. Abandono do conceito restritivo de autor
3.3.1.2. Retorno ao conceito causal-subjectivo de autor
3.3.1.3. Incompatibilidade com a teoria do domínio do facto
3.3.2. Insuficiências na resolução do problema da autoria do dirigente de organizações complexas
3.4. Domínio da organização para a execução do facto típico (Augusto Silva Dias): apresentação de um caso
3.5. Conclusão

Capítulo II – Domínio da organização para a execução do facto
1. Outro modo de senhorio do facto
2. Insuficiência da configuração da organização para a realização típica
2.1. Jurisprudência do Bundesgerichtshof e “conceito económico de autor”
2.2. Criação de condições-quadro do crime e teoria unitária da autoria
2.2.1. A construção de Günther Jakobs
2.2.2. Tomada de posição
2.3. Criação de condições-quadro do crime, preparação e autoria
2.3.1. A posição de Harro Otto
2.3.2. Decisão comum de cometer o crime e exclusão da co-autoria unilateral
2.3.3. Co-autoria negligente
2.3.4. As posições de Jakobs, Weezel e Gómez-Jara Díez
3. Representação recíproca dos co-autores e desnecessidade de intervenção na fase executiva (Urs Kindhäuser)
4. Representação recíproca dos co-autores só com senhorio da realização da execução típica
5. Vantagens da ideia de representação recíproca dos co-autores
5.1. A co-autoria não é sub caso da autoria singular
5.2. Exclusão do condomínio causal do facto global
5.3. Não constituição de um “sujeito global”, de um “sistema ilícito” e de um “facto global”
6. Domínio da organização para a execução do facto: senhorio da ocorrência do resultado ou da execução típica?
6.1. Falta de domínio positivo exclusivo da consumação, mas sem o repartir com o subalterno
6.2. Repartição do domínio positivo da tentativa do facto concreto e domínio negativo exclusivo da tentativa
6.3. Conclusões
7. Início da tentativa do dirigente que domina a organização para a execução do crime
7.1. Excepção: a tentativa do dirigente antecede a execução típica (mas não a execução material) pelos homens-da-frente
7.1.1. Conceito legal de tentativa e tentativa nos crimes de perigo concreto
7.1.2. Omissão da acção organizativamente idónea a preservar o bem jurídico: início da realização típica do dirigente
7.1.3. Conclusões
7.2. Regra: a tentativa do dirigente coincide com a execução típica pelos homens-da-frente
7.2.1. Instigação em cadeia
7.2.2. Tentativa do dirigente como realização do tipo
8. Início da tentativa do dirigente e começo da execução da pessoa colectiva

Capítulo III – Domínio da organização para a execução do facto e artigo 26.º do CP
1. Colocação da questão e ponto de ordem
2. Definição da execução do facto “por si mesmo” por contraposição à execução por intermédio de outrem e ao “tomar parte directa na execução”
3. Autoria mediata negligente?
4. Execução do facto “por intermédio de outrem” e co-autoria
5. Autoria imediata: realização corpórea de todo o tipo?
5.1. Referência aos crimes comissivos por omissão, negligentes e de “mão própria”
5.2. Consequências para a co-autoria (síntese conclusiva)
6. Autoria imediata apesar da simultânea imputação do facto a outrem como realização típica?
7. Domínio da organização para a execução do crime: modalidade de autoria ainda reconduzível ao artigo 26.º (conclusão)
8. Poder colectivo e formas de autoria
8.1. No plano da responsabilidade individual dos dirigentes
8.2. No plano da responsabilidade do ente

9789899091122

Data sheet

Publisher
AAFDL EDITORA | IMPRENSA FDUL
authors
Teresa Quintela de Brito
Reference
9789899091122
Pages
519
Editing Place
Lisboa (2024)

You might also like

Your cookie settings

This store asks you to accept cookies for performance, social media and advertising purposes. Social media and advertising cookies of third parties are used to offer you social media functionalities and personalized ads. Do you accept these cookies and the processing of personal data involved?

Necessary cookies
Necessary cookies help make a website usable by enabling basic functions like page navigation and access to secure areas of the website. The website cannot function properly without these cookies.
Cookie name Provider Purpose Expiry
PHP_SESSID dev.livraria.aafdl.pt This cookie is native to PHP and enables websites to store serialised state data. It is used to establish a user session and to pass state data via a temporary cookie, which is commonly referred to as a session cookie. Session
PrestaShop-# dev.livraria.aafdl.pt This cookie helps keep user sessions open while they are visiting a website, and help them make orders and many more operations such as: cookie add date, selected language, used currency, last product category visited, last seen products, client identification, name, first name, encrypted password, email linked to the account, shopping cart identification. 480 hours
rc::a Google This cookie is used to distinguish between humans and bots. This is beneficial for the website, in order to make valid reports on the use of their website. Persistent
rc::c Google This cookie is used to distinguish between humans and bots. Persistent
Marketing cookies
Marketing cookies are used to track visitors across websites. The intention is to display ads that are relevant and engaging for the individual user and thereby more valuable for publishers and third party advertisers.
Cookie name Provider Purpose Expiry
ads/ga-audiences Google These cookies are used by Google AdWords to re-engage visitors that are likely to convert to customers based on the visitor’s online behaviour across websites. Session
fr Facebook Used by Facebook to deliver a series of advertisement products such as real time bidding from third party advertisers. 3 months
NID Google Registers a unique ID that identifies a returning user's device. The ID is used for targeted ads. 6 months
tr Facebook Used by Facebook to deliver a series of advertisement products such as real time bidding from third party advertisers. Session
VISITOR_INFO1_LIVE youtube.com Tries to estimate the users' bandwidth on pages with integrated YouTube videos. 179 days
YSC youtube.com Registers a unique ID to keep statistics of what videos from YouTube the user has seen. Session
yt-remote-cast-installed youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Session
yt-remote-connected-devices youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Persistent
yt-remote-device-id youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Persistent
yt-remote-fast-check-period youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Session
yt-remote-session-app youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Session
yt-remote-session-name youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Session
_fbp Facebook Used by Facebook to deliver a series of advertisement products such as real time bidding from third party advertisers. 3 months
Performance cookies
Cookies used specifically for gathering data on how visitors use a website, which pages of a website are visited most often, or if they get error messages on web pages. These cookies monitor only the performance of the site as the user interacts with it. These cookies don’t collect identifiable information on visitors, which means all the data collected is anonymous and only used to improve the functionality of a website.
Preference cookies
Preference cookies enable a website to remember information that changes the way the website behaves or looks, like your preferred language or the region that you are in.
Statistic cookies
Statistic cookies help website owners to understand how visitors interact with websites by collecting and reporting information anonymously.
Cookie name Provider Purpose Expiry
collect Google It is used to send data to Google Analytics about the visitor's device and its behavior. Track the visitor across devices and marketing channels. Session
r/collect Google It is used to send data to Google Analytics about the visitor's device and its behavior. Track the visitor across devices and marketing channels. Session
_ga Google Registers a unique ID that is used to generate statistical data on how the visitor uses the website. 2 years
_gat Google Used by Google Analytics to throttle request rate 1 day
_gat_gtag_UA_* Google Used to throttle request rate. 1 minute
_gd# Google This is a Google Analytics Session cookie used to generate statistical data on how you use the website which is removed when you quit your browser. Session
_gid Google Registers a unique ID that is used to generate statistical data on how the visitor uses the website. 1 day
Content not available