search

Responsabilidade Penal dos Dirigentes de Organizações

28,50 €
22,80 € Poupe 20%
Com IVA ENTREGAS EM 2 A 3 DIAS ÚTEIS
Quantidade

  PAGAMENTO SEGURO

Pagamentos seguros e geridos diretamente pelos bancos. Multibanco, MBWay e Paypal disponíveis.

  EXPEDIÇÃO GRATUITA A PARTIR DE 25€

Entregas em 2 a 3 dias úteis (exceto período de férias).

  APOIO AO CLIENTE

Estamos disponíveis para esclarecer todas as suas dúvidas.

A responsabilidade penal de dirigentes de organizações por factos cometidos por colaboradores e funcionários releva no âmbito da criminalidade na empresa e dos crimes do Direito Penal internacional. Entre nós, o Regime Geral de Prevenção da Corrupção intensificou o interesse de práticos e académicos pela responsabilidade penal e contra-ordenacional (cumulativa) dos dirigentes de organizações complexas, maxime do top management e do Compliance Officer, atento o disposto no respectivo artigo 21.º/4, que responsabiliza os titulares do órgão de administração, os dirigentes das pessoas colectivas, o responsável pelo cumprimento normativo e os responsáveis pela direcção ou fiscalização de áreas de actividade em que seja praticada alguma contraordenação, “quando pratiquem os factos ou quando, conhecendo ou devendo conhecer a sua prática, não adotem as medidas adequadas para lhes pôr termo imediatamente”.

ÍNDICE

Sumário Geral
Capítulo I – Domínio do Facto, Organizações Complexas e Autoria dos Dirigentes
1. Introdução: execução de um facto punível através de actos parcelares atípicos em contexto de repartição de tarefas
2. Domínio do facto e criminalidade de empresa
3. Propostas de adaptação da teoria do domínio do facto às organizações complexas
3.1. Autoria mediata por domínio de um aparelho organizado de poder (Claus Roxin)
3.1.1. As quatro condições da figura
3.1.2. Extensão às organizações empresariais?
3.1.3. Compatibilidade da autoria mediata com a plena responsabilidade do executor?
3.1.3.1. O problema
3.1.3.2. Primeira versão do pensamento de Claus Roxin
3.1.3.3. Segunda versão do pensamento roxiniano
3.1.4. Inadequação da figura para resolver o problema da autoria do dirigente sem ajustamentos ao princípio da responsabilidade do executor
3.2. Autoria mediata por subordinação voluntária do executor à decisão e vontade do homem-de-trás
3.2.1. O Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça de Fixação de Jurisprudência n.º 11/2009
3.2.2. A construção de Maria da Conceição Valdágua
3.2.3. Punibilidade da tentativa de “autoria mediata”?
3.3. Instigação como autoria (Jorge de Figueiredo Dias)
3.3.1. Dificuldades dogmáticas da instigação-autoria
3.3.1.1. Abandono do conceito restritivo de autor
3.3.1.2. Retorno ao conceito causal-subjectivo de autor
3.3.1.3. Incompatibilidade com a teoria do domínio do facto
3.3.2. Insuficiências na resolução do problema da autoria do dirigente de organizações complexas
3.4. Domínio da organização para a execução do facto típico (Augusto Silva Dias): apresentação de um caso
3.5. Conclusão

Capítulo II – Domínio da organização para a execução do facto
1. Outro modo de senhorio do facto
2. Insuficiência da configuração da organização para a realização típica
2.1. Jurisprudência do Bundesgerichtshof e “conceito económico de autor”
2.2. Criação de condições-quadro do crime e teoria unitária da autoria
2.2.1. A construção de Günther Jakobs
2.2.2. Tomada de posição
2.3. Criação de condições-quadro do crime, preparação e autoria
2.3.1. A posição de Harro Otto
2.3.2. Decisão comum de cometer o crime e exclusão da co-autoria unilateral
2.3.3. Co-autoria negligente
2.3.4. As posições de Jakobs, Weezel e Gómez-Jara Díez
3. Representação recíproca dos co-autores e desnecessidade de intervenção na fase executiva (Urs Kindhäuser)
4. Representação recíproca dos co-autores só com senhorio da realização da execução típica
5. Vantagens da ideia de representação recíproca dos co-autores
5.1. A co-autoria não é sub caso da autoria singular
5.2. Exclusão do condomínio causal do facto global
5.3. Não constituição de um “sujeito global”, de um “sistema ilícito” e de um “facto global”
6. Domínio da organização para a execução do facto: senhorio da ocorrência do resultado ou da execução típica?
6.1. Falta de domínio positivo exclusivo da consumação, mas sem o repartir com o subalterno
6.2. Repartição do domínio positivo da tentativa do facto concreto e domínio negativo exclusivo da tentativa
6.3. Conclusões
7. Início da tentativa do dirigente que domina a organização para a execução do crime
7.1. Excepção: a tentativa do dirigente antecede a execução típica (mas não a execução material) pelos homens-da-frente
7.1.1. Conceito legal de tentativa e tentativa nos crimes de perigo concreto
7.1.2. Omissão da acção organizativamente idónea a preservar o bem jurídico: início da realização típica do dirigente
7.1.3. Conclusões
7.2. Regra: a tentativa do dirigente coincide com a execução típica pelos homens-da-frente
7.2.1. Instigação em cadeia
7.2.2. Tentativa do dirigente como realização do tipo
8. Início da tentativa do dirigente e começo da execução da pessoa colectiva

Capítulo III – Domínio da organização para a execução do facto e artigo 26.º do CP
1. Colocação da questão e ponto de ordem
2. Definição da execução do facto “por si mesmo” por contraposição à execução por intermédio de outrem e ao “tomar parte directa na execução”
3. Autoria mediata negligente?
4. Execução do facto “por intermédio de outrem” e co-autoria
5. Autoria imediata: realização corpórea de todo o tipo?
5.1. Referência aos crimes comissivos por omissão, negligentes e de “mão própria”
5.2. Consequências para a co-autoria (síntese conclusiva)
6. Autoria imediata apesar da simultânea imputação do facto a outrem como realização típica?
7. Domínio da organização para a execução do crime: modalidade de autoria ainda reconduzível ao artigo 26.º (conclusão)
8. Poder colectivo e formas de autoria
8.1. No plano da responsabilidade individual dos dirigentes
8.2. No plano da responsabilidade do ente

9789899091122

Ficha informativa

Editor
AAFDL EDITORA | IMPRENSA FDUL
Autor(es)
Teresa Quintela de Brito
Referência
9789899091122
Páginas
519
Local de Edição
Lisboa (2024)

Também poderá gostar

Este website utiliza Cookies

Ao clicar em "Aceitar todos os cookies", concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site, analisar a utilização do site e ajudar nas nossas iniciativas de marketing.

Cookies necessários
Os cookies necessários ajudam a tornar um website útil, permitindo funções básicas, como a navegação e o acesso à página para proteger áreas do website. O website pode não funcionar corretamente sem estes cookies.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
PHP_SESSID dev.livraria.aafdl.pt Este cookie é nativo do PHP e permite que sites armazenem dados de estado serializados. Ele é usado para estabelecer uma sessão de usuário e para passar dados de estado por meio de um cookie temporário, comumente referido como um cookie de sessão. Sessão
PrestaShop-# dev.livraria.aafdl.pt Este cookie ajuda a manter as sessões do usuário abertas enquanto eles estão visitando um site, e os ajuda a fazer pedidos e muitas outras operações, como: data de adição do cookie, idioma selecionado, moeda usada, última categoria de produto visitada, produtos vistos pela última vez, identificação do cliente, nome, nome, senha criptografada, e-mail vinculado à conta, identificação do carrinho de compras. 480 horas
rc::a Google Este cookie é usado para distinguir humanos de robôs. Isso é benéfico para o site criar relatórios válidos sobre o uso de seu site. Persistente
rc::c Google Este cookie é usado para distinguir entre humanos e bots. Persistente
Cookies de desempenho
Cookies usados especificamente para coletar dados sobre como os visitantes usam um site, quais páginas de um site são visitadas com mais frequência ou se eles recebem mensagens de erro em páginas da web. Esses cookies monitoram apenas o desempenho do site à medida que o usuário interage com ele. Esses cookies não coletam informações identificáveis sobre os visitantes, o que significa que todos os dados coletados são anônimos e usados apenas para melhorar a funcionalidade de um site.
Cookies de estatística
Os cookies de estatística ajudam os proprietários de websites a entenderem como os visitantes interagem com os websites, recolhendo e divulgando informações de forma anónima.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
collect Google Ele é usado para enviar dados ao Google Analytics sobre o dispositivo do visitante e seu comportamento. Rastreie o visitante em dispositivos e canais de marketing. Sessão
r/collect Google Ele é usado para enviar dados ao Google Analytics sobre o dispositivo do visitante e seu comportamento. Rastreie o visitante em dispositivos e canais de marketing. Sessão
_ga Google Registra um ID exclusivo que é usado para gerar dados estatísticos sobre como o visitante usa o site. 2 anos
_gat Google Usado pelo Google Analytics para controlar a taxa de solicitação 1 dia
_gat_gtag_UA_* Google Usado para controlar a taxa de solicitação. 1 minuto
_gd# Google Este é um cookie de sessão do Google Analytics usado para gerar dados estatísticos sobre como você usa o site, que são removidos quando você fecha o navegador. Sessão
_gid Google Registra um ID exclusivo que é usado para gerar dados estatísticos sobre como o visitante usa o site. 1 dia
Cookies de marketing
Os cookies de marketing são utilizados para seguir os visitantes pelos websites. A intenção é exibir anúncios que sejam relevantes e apelativos para o utilizador individual e, logo, mais valiosos para os editores e anunciantes independentes.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
ads/ga-audiences Google Esses cookies são usados pelo Google AdWords para reconquistar visitantes que provavelmente se converterão em clientes com base no comportamento online do visitante nos sites. Sessão
fr Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. 3 meses
NID Google Registra um ID exclusivo que identifica o dispositivo de um usuário recorrente. O ID é usado para anúncios direcionados. 6 meses
tr Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. Sessão
VISITOR_INFO1_LIVE youtube.com Tenta estimar a largura de banda dos usuários em páginas com vídeos integrados do YouTube. 179 dias
YSC youtube.com Registra um ID único para manter estatísticas de quais vídeos do YouTube o usuário viu. Sessão
yt-remote-cast-installed youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-connected-devices youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Persistente
yt-remote-device-id youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Persistente
yt-remote-fast-check-period youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-session-app youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-session-name youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
_fbp Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. 3 meses
Cookies de preferência
Os cookies de preferência permitem que um website memorize as informações que mudam o comportamento ou o aspeto do website, como o seu idioma preferido ou a região em que se você encontra.
Conteúdo não disponível