Liberalismo e Questão Social em Portugal no Século XIX
search
  • Liberalismo e Questão Social em Portugal no Século XIX

Liberalismo e Questão Social em Portugal no Século XIX

CONTRIBUTO PARA A HISTÓRIA DOS DIREITOS SOCIAIS

40,00 €
36,00 € Poupe 10%
Com IVA ENVIO EM 2 A 3 DIAS ÚTEIS
Quantidade

Aceder à Versão E-book
  PAGAMENTO SEGURO

Pagamentos seguros e geridos diretamente pelos bancos. Multibanco, MBWay e Paypal disponíveis.

  EXPEDIÇÃO GRATUITA A PARTIR DE 25€

Em encomendas de valor superior a 25,00€ | Entregas em 2 a 3 dias úteis

  APOIO AO CLIENTE

Estamos disponíveis para esclarecer todas as suas dúvidas.

ÍNDICE GERAL

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO PRIMEIRO: A ERA LIBERAL - UMA RECRIAÇÃO DA HUMANIDADE
§ 1. Liberalismo - Uma Expressão do Humanismo Centrada nos Direitos Individuais
§ 2. Liberdade e Liberalismo
§3.0 Subsolo Filosófico: Laicidade e Individualismo
§ 3.1. As Raízes Doutrinárias do Liberalismo
§ 3.1.1. A Liberdade e Maquiavel
§ 3.1.2. A Reforma e o Exame Livre da Consciência
§ 3.1.3. A Neo-Escolástica Peninsular e o Reconhecimento da Liberdade Jurídica da Pessoa Humana
§ 3.1.4. O Humanismo Cristão e a Supremacia dos Valores Espirituais
§ 4. Assalto ao Absolutismo
§4.1. John Locke - O Filósofo dos Direitos Inatos
§ 4.2. Os Teóricos da Revolução Francesa e a Força da Necessidade Histórica
§ 4.2.1. A Ideia de Solidariedade em Charles-Louis de Secondat
§ 4.2.2. Jean-Jacques Rousseau e a Teorização das Adversidades da Sociedade Desenvolvida
§ 4.2.3. Condorcet e a Institucionalização do Poder Social
§ 4.2.4. Emmanuel Sieyès: O Intérprete das Esperanças Sociais da Nação Pobre
§ 5. Uma Nova Fundamentação Teórica para o Liberalismo
§ 5.1. Edmund Burke e a Apologia dos Direitos Históricos, Relativos e Concretos
§ 5.2. Thomas Paine - O Precursor do Estado Social

CAPÍTULO SEGUNDO: A SUBLEVAÇÃO DOS FACTOS CONTRA O PENSAMENTO TRADICIONAL
SECÇÃO PRIMEIRA: As Vicissitudes do Proto-Liberalismo em Portugal
§ 1. Portugal na Alvorada do Século XIX: Atitudes Estruturais e Inovações Conjunturais
§ 2. A Apologia do Progresso e a Realidade do País
§ 2.1. A Implantação do Sistema Liberal Burguês - Tradição e Inovação

SECÇÃO SEGUNDA: A Superação do Individualismo e a Inventio dos Direitos Sociais
§1.0 Pauperismo do Operariado e a Questão Social na Literatura Jurídica Liberal Oitocentista;
§ 2. Entre o Mercado e o Estado, Entre o Espírito da Liberdade e a Componente Solidária
§1.0 Pauperismo do Operariado e a Questão Social na Literatura Jurídica Liberal Oitocentista
§ 2. Entre o Mercado e o Estado, Entre o Espírito da Liberdade e a Componente Solidária
§ 4.1. Francisco Solano Constâncio
§ 4.2. Silvestre Pinheiro Ferreira
§ 4.3. António Luís de Seabra
§ 4.4. Alexandre Herculano

CAPÍTULO TERCEIRO: CONSOLIDAÇÃO DA TENDÊNCIA PARA O DIREITO SOCIAL
SECÇÃO PRIMEIRA: A Resposta Krausista
§1.0 Krausismo Português e a Superação da Vertente Individual da Liberdade
§ 2. A Mutualidade de Serviços
§3.0 Princípio do Direito ao Trabalho e o do Dever do Trabalho
§ 4. A Liberdade de Associação

SECÇÃO SEGUNDA: Outras Direcções do Pensamento no Devir do Processo de Racionalização Jurídico-Instrumental da Questão Social
§ 1. Esperanças e Frustrações: Remissão
§ 2. O Socialismo, o Republicanismo, o Positivismo e a Reforma Social como Evolução, Ruptura ou Revolução
§3.0 Catolicismo Social e a Ambição de Reforma Fundada numa Concepção Social de Matriz Etico-Religiosa

SECÇÃO TERCEIRA: A Lei Enquanto Instrumento de Integração Político-Jurídica das Classes Laboriosas
§ 1. Acervo Normativo Destinado a Garantir Preventivamente a Vida, a Saúde e a Segurança do Trabalhador. O Trabalho dos Menores, das Mulheres, dos Adultos. A Duração do Trabalho e o Descanso Hebdomário. A Habitação Operária
§1.1.0 Trabalho dos Menores
§1.2.0 Trabalho das Mulheres
§ 1.3. Duração do Trabalho e Descanso Hebdomário
§ 1.4. Higiene e Segurança do Trabalhador
§ 1.5. Habitação Operária
§ 2. A Organização Colectiva do Trabalho. As Associações Operárias e o Socorro Mútuo enquanto Instituições de Previdência Social. Os Acidentes Profissionais e as Bolsas de Trabalho
§ 2.1. As Associações de Classe e o Socorro Mútuo
§ 2.2. Os Acidentes de Trabalho
§ 2.3. A Mediação entre Patrões e Operários. As Bolsas de Trabalho
§ 3. Conflitos entre Patrões e Operários. Jurisdição Especial para os Dirimir. A Greve
§4. Nota Final

5606939008510

Ficha informativa

Editor
AAFDL EDITORA
Autor(es)
Susana Antas Videira
Referência
5606939008510
Páginas
982
Local de Edição
Lisboa (2016)

Este website utiliza Cookies

Ao clicar em "Aceitar todos os cookies", concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site, analisar a utilização do site e ajudar nas nossas iniciativas de marketing.

Cookies necessários
Os cookies necessários ajudam a tornar um website útil, permitindo funções básicas, como a navegação e o acesso à página para proteger áreas do website. O website pode não funcionar corretamente sem estes cookies.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
PHP_SESSID dev.livraria.aafdl.pt Este cookie é nativo do PHP e permite que sites armazenem dados de estado serializados. Ele é usado para estabelecer uma sessão de usuário e para passar dados de estado por meio de um cookie temporário, comumente referido como um cookie de sessão. Sessão
PrestaShop-# dev.livraria.aafdl.pt Este cookie ajuda a manter as sessões do usuário abertas enquanto eles estão visitando um site, e os ajuda a fazer pedidos e muitas outras operações, como: data de adição do cookie, idioma selecionado, moeda usada, última categoria de produto visitada, produtos vistos pela última vez, identificação do cliente, nome, nome, senha criptografada, e-mail vinculado à conta, identificação do carrinho de compras. 480 horas
rc::a Google Este cookie é usado para distinguir humanos de robôs. Isso é benéfico para o site criar relatórios válidos sobre o uso de seu site. Persistente
rc::c Google Este cookie é usado para distinguir entre humanos e bots. Persistente
Cookies de desempenho
Cookies usados especificamente para coletar dados sobre como os visitantes usam um site, quais páginas de um site são visitadas com mais frequência ou se eles recebem mensagens de erro em páginas da web. Esses cookies monitoram apenas o desempenho do site à medida que o usuário interage com ele. Esses cookies não coletam informações identificáveis sobre os visitantes, o que significa que todos os dados coletados são anônimos e usados apenas para melhorar a funcionalidade de um site.
Cookies de estatística
Os cookies de estatística ajudam os proprietários de websites a entenderem como os visitantes interagem com os websites, recolhendo e divulgando informações de forma anónima.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
collect Google Ele é usado para enviar dados ao Google Analytics sobre o dispositivo do visitante e seu comportamento. Rastreie o visitante em dispositivos e canais de marketing. Sessão
r/collect Google Ele é usado para enviar dados ao Google Analytics sobre o dispositivo do visitante e seu comportamento. Rastreie o visitante em dispositivos e canais de marketing. Sessão
_ga Google Registra um ID exclusivo que é usado para gerar dados estatísticos sobre como o visitante usa o site. 2 anos
_gat Google Usado pelo Google Analytics para controlar a taxa de solicitação 1 dia
_gat_gtag_UA_* Google Usado para controlar a taxa de solicitação. 1 minuto
_gd# Google Este é um cookie de sessão do Google Analytics usado para gerar dados estatísticos sobre como você usa o site, que são removidos quando você fecha o navegador. Sessão
_gid Google Registra um ID exclusivo que é usado para gerar dados estatísticos sobre como o visitante usa o site. 1 dia
Cookies de marketing
Os cookies de marketing são utilizados para seguir os visitantes pelos websites. A intenção é exibir anúncios que sejam relevantes e apelativos para o utilizador individual e, logo, mais valiosos para os editores e anunciantes independentes.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
ads/ga-audiences Google Esses cookies são usados pelo Google AdWords para reconquistar visitantes que provavelmente se converterão em clientes com base no comportamento online do visitante nos sites. Sessão
fr Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. 3 meses
NID Google Registra um ID exclusivo que identifica o dispositivo de um usuário recorrente. O ID é usado para anúncios direcionados. 6 meses
tr Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. Sessão
VISITOR_INFO1_LIVE youtube.com Tenta estimar a largura de banda dos usuários em páginas com vídeos integrados do YouTube. 179 dias
YSC youtube.com Registra um ID único para manter estatísticas de quais vídeos do YouTube o usuário viu. Sessão
yt-remote-cast-installed youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-connected-devices youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Persistente
yt-remote-device-id youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Persistente
yt-remote-fast-check-period youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-session-app youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-session-name youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
_fbp Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. 3 meses
Cookies de preferência
Os cookies de preferência permitem que um website memorize as informações que mudam o comportamento ou o aspeto do website, como o seu idioma preferido ou a região em que se você encontra.
Conteúdo não disponível