search

Direito da Responsabilidade Civil - A Obrigação de Indemnizar

30,00 €
27,00 € Poupe 10%
Com IVA ENVIO EM 2 A 3 DIAS ÚTEIS
Quantidade

  PAGAMENTO SEGURO

Pagamentos seguros e geridos diretamente pelos bancos. Multibanco, MBWay e Paypal disponíveis.

  EXPEDIÇÃO GRATUITA A PARTIR DE 25€

Em encomendas de valor superior a 25,00€ | Entregas em 2 a 3 dias úteis

  APOIO AO CLIENTE

Estamos disponíveis para esclarecer todas as suas dúvidas.

A responsabilidade civil é uma das áreas do direito das obrigações que mais têm interessado os juristas portugueses nas últimas décadas. Contudo, a atenção dos académicos tem-se concentrado mais no estudo dos fundamentos da responsabilidade do que no da respectiva estatuição, a obrigação de indemnizar. Esta ocupa um espaço modesto nos manuais, e são em menor número as monografias que se lhe dedicam e ao seu regime. Ainda assim, a matéria da obrigação de indemnizar não é menos importante, tanto no plano prático, quanto no teórico.
Perante as disposições que a tratam no Código Civil poderá sentir-se que o regime é simples e pouco problemático. A sensação é, no entanto, enganadora. A elevada abstracção da lei neste ponto contrasta com a extrema variabilidade dos casos, que traz incontáveis dificuldades ao intérprete e aplicador.
O presente livro ocupa-se detidamente e de modo inovador de matérias como o referente temporal da obrigação de indemnizar, a determinação do respetivo titular e da pessoa relevante para a fixação do prejuízo, a causalidade e a imputação objetiva enquanto critérios de delimitação do dano a indemnizar, a reconstituição natural e o relevo do contributo do lesado para o dano. Trata-se de uma parte de um projeto mais extenso e pretende-se juntar-lhe novos capítulos e volumes num futuro próximo.

Plano

I – Função ou funções da responsabilidade civil
1. Função ressarcitória, função preventiva e função retributiva. Generalidades
2. Função preventiva (geral) ou dissuasora da responsabilidade civil. Apreciação crítica
3. Função retributiva da responsabilidade civil
4. A «indemnização punitiva»
5. Função de continuação ou prosseguimento do direito («Rechtsfortsetzungsfunktion» ou «Rechtsverfolgungsfuntion»)

II – O referente temporal no apuramento do dano a indemnizar
1. O problema do referente temporal
1.1. Introdução
1.2. O art. 566.º, n.º 2 do CC (apuramento da indemnização por referência à «data mais recente que puder ser atendida pelo tribunal»): considerações preliminares
1.3. Os limites temporais à fixação do objeto do processo (limites processuais) e os limites temporais à consideração de variações do dano na fixação da indemnização (limites substantivos)
1.4. A regra geral da «atualização» da indemnização e a relevância de alterações posteriores aos factos considerados na fixação judicial ou extrajudicial da indemnização. O sentido do art. 566.º, n.º 2, do CC
1.5. Desvios à regra de atualização da indemnização
2. A indemnização em dinheiro e a depreciação monetária
2.1. A liquidação da indemnização de acordo com a situação existente à data da citação e a cumulação com juros de mora (art. 805.º, n.º 3, do CC). Confronto com o art. 566.º, n.º 2, do CC
2.1.1. O art. 805.º, n.º 3, do CC, segunda parte: uma solução para o problema da depreciação do valor da moeda na indemnização em dinheiro. O seu reflexo noutros problemas
2.1.2. A obrigação «primária» de indemnização e a obrigação «secundária» de indemnização. A atualização da obrigação «primária» de indemnização (art. 566.º, n.º 2, do CC) e a exigência de uma indemnização pela falta de cumprimento tempestivo da obrigação «primária» de indemnização (art. 805.º, n.º 3, in fine do CC)
2.1.3. A articulação da indemnização moratória com o cálculo atualizado da indemnização
2.1.4.O direito de opção do lesado
2.2. A solução do problema da depreciação monetária da indemnização através da «decisão atualizadora». A «decisão atualizadora», o art. 566.º, n.º 2, do CC e o art. 805.º, n.º 3, in fine, do CC
2.3. Algumas questões levantadas pela «decisão atualizadora»
3. A indemnização por danos futuros
3.1. O art. 564.º, n.º 1, do CC
3.2. Nova ação judicial com vista à indemnização por danos subsequentes ao encerramento da discussão da primeira ação judicial
3.3. A modificabilidade de uma decisão transitada em julgado que condene numa indemnização por danos futuros com fundamento na não verificação dos factos nela prognosticados
3.4. O dano futuro continuado: a indemnização sob a forma de renda e de capital
3.5. A prescrição e os danos futuros – O titular do direito à indemnização e o sujeito relevante para a definição do dano a indemnizar. O problema da liquidação do dano de terceiro
1. Princípios gerais e casos problemáticos
2. A transmissão do crédito que fundamenta o dever de indemnizar
3. A atribuição da indemnização ao titular do direito violado ou do interesse protegido pela norma violada
3.1. Os lesados mediatos, indiretos, reflexos ou por ricochete. A regra do não reconhecimento do direito destes lesados à indemnização
3.2. Os desvios à regra
4. A indemnização de pessoas próximas da vítima nos casos de lesão corporal ou de morte por danos não patrimoniais
4.1. A regra e o seu âmbito de aplicação
4.2. O enquadramento dogmático
5. A indemnização de terceiros para cuja esfera o dano foi «deslocado»
5.1. O direito à indemnização de terceiros por despesas feitas para salvar, tratar ou assistir a vítima (no caso de morte ou lesão corporal) e as despesas relacionadas com a morte
5.2. O direito à indemnização de terceiros por despesas feitas para tratar o animal, vítima de lesão
5.3. O direito à indemnização a terceiros titulares do direito a alimentos ou a quem a vítima os prestava no cumprimento de uma obrigação natural
5.4. O direito de terceiros obrigados realizar prestações ao lesado em consequência de um facto gerador de responsabilidade
6. A deslocação do dano para um terceiro nos casos não regulados
6.1. O problema. A deslocação do dano para um terceiro e os casos de «interesse coincidente»
6.2. A proposta de Vaz Serra
6.3. A liquidação do dano de terceiro
6.4. Perspetivas de solução

IV – A determinação e a delimitação dos danos a indemnizar em função do evento que obriga à reparação e de outros fatores objetivos
1. Introdução
2. O juízo de causalidade
2.1. Generalidades
2.2. A causa como condição necessária (o teste da conditio sine qua non; but for condition)
2.3. A causa como elemento necessário à suficiência de um conjunto de condições para a verificação de um resultado (NESS: necessary element of a sufficient set)
2.4. Dispensa da causalidade (naturalística)?
2.5. Conclusão
3. Imputação objetiva
3.1. Introdução e terminologia
3.2. A circunscrição dos danos a indemnizar com base da teoria da adequação
3.3. A circunscrição dos danos a indemnizar com base no fim de proteção da norma
3.4. A circunscrição dos danos indemnizáveis segundo esferas de risco
3.5. Conclusões. A pluralidade de critérios de imputação objetiva
4. Causalidade «fundamentadora» e causalidade de «preenchedora» da responsabilidade
5. A imputação de danos não causados
5.1. Introdução
5.2. A indemnização de despesas e de medidas de prevenção
5.2.1. A indemnização de despesas e de outros danos decorrentes de um ato voluntário do lesado. Alguns casos de despesas e medidas de prevenção
5.2.2. Terminologia e delimitação do tema
5.2.3. Despesas de prevenção individuais e concretas constituição de reservas). Prémios de captura
5.3. A indemnização de despesas inutilizadas
5.3.1. O problema
5.3.2. A resolução por incumprimento e a indemnização de despesas inutilizadas
5.3.3. A teoria da tutela da confiança
5.3.4. A teoria da frustração
5.3.5. A teoria da presunção de rentabilidade e da presunção de equivalência
5.3.6. A teoria da analogia de razões
5.3.7. Consequências da posição adotada
5.4. A indemnização por perda de receitas quando dois ou mais factos geradores de responsabilidade são aptos a causá-la

V – A reconstituição natural
1. A reconstituição natural: conceito e âmbito de aplicação
1.1. Generalidades
1.2. A reconstituição natural na violação de deveres de informação pré-contratuais
1.3. A reparação do dano e a eliminação da perturbação: pretensões indemnizatórias e pretensões eliminatórias
1.4. A substituição da coisa danificada ou destruída e a reconstituição natural
2. O direito do lesado ao montante necessário à reconstituição natural
2.1. Fundamento
2.2. A restauração levada cabo pelo lesado
2.3. A livre disposição pelo lesado da quantia necessária à reconstituição natural e o denominado cálculo ficcionado dos custos de reparação
2.4. O caráter transitório ou definitivo do direito à quantia necessária à reconstituição natural
2.5. A livre disponibilidade da quantia necessária à reconstituição natural de danos não patrimoniais
3. A impossibilidade, a insuficiência e a onerosidade excessiva da reconstituição natural
4. O «desconto» decorrente da substituição do «velho por novo». O destino dos destroços ou restos da coisa danificada ou destruída no caso de substituição
5. O problema do menor valor mercantil

VI – A «culpa do lesado»
1. Introdução
2. Fundamento
3. Dever ou ónus do lesado?
4. A previsão
4.1. O âmbito de aplicação da «culpa do lesado»
4.2. Os pressupostos de imputação do dano ao lesado
4.3. A omissão do lesado. Em especial, o ónus do lesado de mitigação dos danos
5. A exposição consciente e voluntária a um risco
6. A «culpa» do lesado e a conduta de terceiros
7. As consequências: a manutenção, a redução ou a exclusão da obrigação de indemnizar
8. O ónus da prova. A desnecessidade de invocação pelo lesante (conhecimento oficioso)

9789899091016

Ficha informativa

Editor
AAFDL EDITORA | IMPRENSA FDUL
Autor(es)
Maria de Lurdes Pereira
Referência
9789899091016
Páginas
620
Local de Edição
Lisboa (2021)

Este website utiliza Cookies

Ao clicar em "Aceitar todos os cookies", concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site, analisar a utilização do site e ajudar nas nossas iniciativas de marketing.

Cookies necessários
Os cookies necessários ajudam a tornar um website útil, permitindo funções básicas, como a navegação e o acesso à página para proteger áreas do website. O website pode não funcionar corretamente sem estes cookies.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
PHP_SESSID dev.livraria.aafdl.pt Este cookie é nativo do PHP e permite que sites armazenem dados de estado serializados. Ele é usado para estabelecer uma sessão de usuário e para passar dados de estado por meio de um cookie temporário, comumente referido como um cookie de sessão. Sessão
PrestaShop-# dev.livraria.aafdl.pt Este cookie ajuda a manter as sessões do usuário abertas enquanto eles estão visitando um site, e os ajuda a fazer pedidos e muitas outras operações, como: data de adição do cookie, idioma selecionado, moeda usada, última categoria de produto visitada, produtos vistos pela última vez, identificação do cliente, nome, nome, senha criptografada, e-mail vinculado à conta, identificação do carrinho de compras. 480 horas
rc::a Google Este cookie é usado para distinguir humanos de robôs. Isso é benéfico para o site criar relatórios válidos sobre o uso de seu site. Persistente
rc::c Google Este cookie é usado para distinguir entre humanos e bots. Persistente
Cookies de desempenho
Cookies usados especificamente para coletar dados sobre como os visitantes usam um site, quais páginas de um site são visitadas com mais frequência ou se eles recebem mensagens de erro em páginas da web. Esses cookies monitoram apenas o desempenho do site à medida que o usuário interage com ele. Esses cookies não coletam informações identificáveis sobre os visitantes, o que significa que todos os dados coletados são anônimos e usados apenas para melhorar a funcionalidade de um site.
Cookies de estatística
Os cookies de estatística ajudam os proprietários de websites a entenderem como os visitantes interagem com os websites, recolhendo e divulgando informações de forma anónima.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
collect Google Ele é usado para enviar dados ao Google Analytics sobre o dispositivo do visitante e seu comportamento. Rastreie o visitante em dispositivos e canais de marketing. Sessão
r/collect Google Ele é usado para enviar dados ao Google Analytics sobre o dispositivo do visitante e seu comportamento. Rastreie o visitante em dispositivos e canais de marketing. Sessão
_ga Google Registra um ID exclusivo que é usado para gerar dados estatísticos sobre como o visitante usa o site. 2 anos
_gat Google Usado pelo Google Analytics para controlar a taxa de solicitação 1 dia
_gat_gtag_UA_* Google Usado para controlar a taxa de solicitação. 1 minuto
_gd# Google Este é um cookie de sessão do Google Analytics usado para gerar dados estatísticos sobre como você usa o site, que são removidos quando você fecha o navegador. Sessão
_gid Google Registra um ID exclusivo que é usado para gerar dados estatísticos sobre como o visitante usa o site. 1 dia
Cookies de marketing
Os cookies de marketing são utilizados para seguir os visitantes pelos websites. A intenção é exibir anúncios que sejam relevantes e apelativos para o utilizador individual e, logo, mais valiosos para os editores e anunciantes independentes.
Nome do cookie Fornecedor Objetivo Termo
ads/ga-audiences Google Esses cookies são usados pelo Google AdWords para reconquistar visitantes que provavelmente se converterão em clientes com base no comportamento online do visitante nos sites. Sessão
fr Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. 3 meses
NID Google Registra um ID exclusivo que identifica o dispositivo de um usuário recorrente. O ID é usado para anúncios direcionados. 6 meses
tr Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. Sessão
VISITOR_INFO1_LIVE youtube.com Tenta estimar a largura de banda dos usuários em páginas com vídeos integrados do YouTube. 179 dias
YSC youtube.com Registra um ID único para manter estatísticas de quais vídeos do YouTube o usuário viu. Sessão
yt-remote-cast-installed youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-connected-devices youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Persistente
yt-remote-device-id youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Persistente
yt-remote-fast-check-period youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-session-app youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
yt-remote-session-name youtube.com Armazena as preferências do player de vídeo do usuário usando o vídeo do YouTube incorporado. Sessão
_fbp Facebook Usado pelo Facebook para entregar uma série de produtos de publicidade, como lances em tempo real de anunciantes terceiros. 3 meses
Cookies de preferência
Os cookies de preferência permitem que um website memorize as informações que mudam o comportamento ou o aspeto do website, como o seu idioma preferido ou a região em que se você encontra.
Conteúdo não disponível