search

Direito da Responsabilidade Civil - A Obrigação de Indemnizar

€30.00
€27.00 Save 10%
VAT included
Quantity

  SAFE PAYMENT

Secure payments directly managed by banks. ATM, MBWay and Paypal available.

  FREE SHIPPING FROM 25€

On orders over €25.00 | Delivery in 2 to 3 working days

  CUSTOMER SUPPORT

We are available to clarify all your doubts.

A responsabilidade civil é uma das áreas do direito das obrigações que mais têm interessado os juristas portugueses nas últimas décadas. Contudo, a atenção dos académicos tem-se concentrado mais no estudo dos fundamentos da responsabilidade do que no da respectiva estatuição, a obrigação de indemnizar. Esta ocupa um espaço modesto nos manuais, e são em menor número as monografias que se lhe dedicam e ao seu regime. Ainda assim, a matéria da obrigação de indemnizar não é menos importante, tanto no plano prático, quanto no teórico.
Perante as disposições que a tratam no Código Civil poderá sentir-se que o regime é simples e pouco problemático. A sensação é, no entanto, enganadora. A elevada abstracção da lei neste ponto contrasta com a extrema variabilidade dos casos, que traz incontáveis dificuldades ao intérprete e aplicador.
O presente livro ocupa-se detidamente e de modo inovador de matérias como o referente temporal da obrigação de indemnizar, a determinação do respetivo titular e da pessoa relevante para a fixação do prejuízo, a causalidade e a imputação objetiva enquanto critérios de delimitação do dano a indemnizar, a reconstituição natural e o relevo do contributo do lesado para o dano. Trata-se de uma parte de um projeto mais extenso e pretende-se juntar-lhe novos capítulos e volumes num futuro próximo.

Plano

I – Função ou funções da responsabilidade civil
1. Função ressarcitória, função preventiva e função retributiva. Generalidades
2. Função preventiva (geral) ou dissuasora da responsabilidade civil. Apreciação crítica
3. Função retributiva da responsabilidade civil
4. A «indemnização punitiva»
5. Função de continuação ou prosseguimento do direito («Rechtsfortsetzungsfunktion» ou «Rechtsverfolgungsfuntion»)

II – O referente temporal no apuramento do dano a indemnizar
1. O problema do referente temporal
1.1. Introdução
1.2. O art. 566.º, n.º 2 do CC (apuramento da indemnização por referência à «data mais recente que puder ser atendida pelo tribunal»): considerações preliminares
1.3. Os limites temporais à fixação do objeto do processo (limites processuais) e os limites temporais à consideração de variações do dano na fixação da indemnização (limites substantivos)
1.4. A regra geral da «atualização» da indemnização e a relevância de alterações posteriores aos factos considerados na fixação judicial ou extrajudicial da indemnização. O sentido do art. 566.º, n.º 2, do CC
1.5. Desvios à regra de atualização da indemnização
2. A indemnização em dinheiro e a depreciação monetária
2.1. A liquidação da indemnização de acordo com a situação existente à data da citação e a cumulação com juros de mora (art. 805.º, n.º 3, do CC). Confronto com o art. 566.º, n.º 2, do CC
2.1.1. O art. 805.º, n.º 3, do CC, segunda parte: uma solução para o problema da depreciação do valor da moeda na indemnização em dinheiro. O seu reflexo noutros problemas
2.1.2. A obrigação «primária» de indemnização e a obrigação «secundária» de indemnização. A atualização da obrigação «primária» de indemnização (art. 566.º, n.º 2, do CC) e a exigência de uma indemnização pela falta de cumprimento tempestivo da obrigação «primária» de indemnização (art. 805.º, n.º 3, in fine do CC)
2.1.3. A articulação da indemnização moratória com o cálculo atualizado da indemnização
2.1.4.O direito de opção do lesado
2.2. A solução do problema da depreciação monetária da indemnização através da «decisão atualizadora». A «decisão atualizadora», o art. 566.º, n.º 2, do CC e o art. 805.º, n.º 3, in fine, do CC
2.3. Algumas questões levantadas pela «decisão atualizadora»
3. A indemnização por danos futuros
3.1. O art. 564.º, n.º 1, do CC
3.2. Nova ação judicial com vista à indemnização por danos subsequentes ao encerramento da discussão da primeira ação judicial
3.3. A modificabilidade de uma decisão transitada em julgado que condene numa indemnização por danos futuros com fundamento na não verificação dos factos nela prognosticados
3.4. O dano futuro continuado: a indemnização sob a forma de renda e de capital
3.5. A prescrição e os danos futuros – O titular do direito à indemnização e o sujeito relevante para a definição do dano a indemnizar. O problema da liquidação do dano de terceiro
1. Princípios gerais e casos problemáticos
2. A transmissão do crédito que fundamenta o dever de indemnizar
3. A atribuição da indemnização ao titular do direito violado ou do interesse protegido pela norma violada
3.1. Os lesados mediatos, indiretos, reflexos ou por ricochete. A regra do não reconhecimento do direito destes lesados à indemnização
3.2. Os desvios à regra
4. A indemnização de pessoas próximas da vítima nos casos de lesão corporal ou de morte por danos não patrimoniais
4.1. A regra e o seu âmbito de aplicação
4.2. O enquadramento dogmático
5. A indemnização de terceiros para cuja esfera o dano foi «deslocado»
5.1. O direito à indemnização de terceiros por despesas feitas para salvar, tratar ou assistir a vítima (no caso de morte ou lesão corporal) e as despesas relacionadas com a morte
5.2. O direito à indemnização de terceiros por despesas feitas para tratar o animal, vítima de lesão
5.3. O direito à indemnização a terceiros titulares do direito a alimentos ou a quem a vítima os prestava no cumprimento de uma obrigação natural
5.4. O direito de terceiros obrigados realizar prestações ao lesado em consequência de um facto gerador de responsabilidade
6. A deslocação do dano para um terceiro nos casos não regulados
6.1. O problema. A deslocação do dano para um terceiro e os casos de «interesse coincidente»
6.2. A proposta de Vaz Serra
6.3. A liquidação do dano de terceiro
6.4. Perspetivas de solução

IV – A determinação e a delimitação dos danos a indemnizar em função do evento que obriga à reparação e de outros fatores objetivos
1. Introdução
2. O juízo de causalidade
2.1. Generalidades
2.2. A causa como condição necessária (o teste da conditio sine qua non; but for condition)
2.3. A causa como elemento necessário à suficiência de um conjunto de condições para a verificação de um resultado (NESS: necessary element of a sufficient set)
2.4. Dispensa da causalidade (naturalística)?
2.5. Conclusão
3. Imputação objetiva
3.1. Introdução e terminologia
3.2. A circunscrição dos danos a indemnizar com base da teoria da adequação
3.3. A circunscrição dos danos a indemnizar com base no fim de proteção da norma
3.4. A circunscrição dos danos indemnizáveis segundo esferas de risco
3.5. Conclusões. A pluralidade de critérios de imputação objetiva
4. Causalidade «fundamentadora» e causalidade de «preenchedora» da responsabilidade
5. A imputação de danos não causados
5.1. Introdução
5.2. A indemnização de despesas e de medidas de prevenção
5.2.1. A indemnização de despesas e de outros danos decorrentes de um ato voluntário do lesado. Alguns casos de despesas e medidas de prevenção
5.2.2. Terminologia e delimitação do tema
5.2.3. Despesas de prevenção individuais e concretas constituição de reservas). Prémios de captura
5.3. A indemnização de despesas inutilizadas
5.3.1. O problema
5.3.2. A resolução por incumprimento e a indemnização de despesas inutilizadas
5.3.3. A teoria da tutela da confiança
5.3.4. A teoria da frustração
5.3.5. A teoria da presunção de rentabilidade e da presunção de equivalência
5.3.6. A teoria da analogia de razões
5.3.7. Consequências da posição adotada
5.4. A indemnização por perda de receitas quando dois ou mais factos geradores de responsabilidade são aptos a causá-la

V – A reconstituição natural
1. A reconstituição natural: conceito e âmbito de aplicação
1.1. Generalidades
1.2. A reconstituição natural na violação de deveres de informação pré-contratuais
1.3. A reparação do dano e a eliminação da perturbação: pretensões indemnizatórias e pretensões eliminatórias
1.4. A substituição da coisa danificada ou destruída e a reconstituição natural
2. O direito do lesado ao montante necessário à reconstituição natural
2.1. Fundamento
2.2. A restauração levada cabo pelo lesado
2.3. A livre disposição pelo lesado da quantia necessária à reconstituição natural e o denominado cálculo ficcionado dos custos de reparação
2.4. O caráter transitório ou definitivo do direito à quantia necessária à reconstituição natural
2.5. A livre disponibilidade da quantia necessária à reconstituição natural de danos não patrimoniais
3. A impossibilidade, a insuficiência e a onerosidade excessiva da reconstituição natural
4. O «desconto» decorrente da substituição do «velho por novo». O destino dos destroços ou restos da coisa danificada ou destruída no caso de substituição
5. O problema do menor valor mercantil

VI – A «culpa do lesado»
1. Introdução
2. Fundamento
3. Dever ou ónus do lesado?
4. A previsão
4.1. O âmbito de aplicação da «culpa do lesado»
4.2. Os pressupostos de imputação do dano ao lesado
4.3. A omissão do lesado. Em especial, o ónus do lesado de mitigação dos danos
5. A exposição consciente e voluntária a um risco
6. A «culpa» do lesado e a conduta de terceiros
7. As consequências: a manutenção, a redução ou a exclusão da obrigação de indemnizar
8. O ónus da prova. A desnecessidade de invocação pelo lesante (conhecimento oficioso)

9789899091016

Data sheet

Publisher
AAFDL EDITORA | IMPRENSA FDUL
authors
Maria de Lurdes Pereira
Reference
9789899091016
Pages
620
Editing Place
Lisboa (2021)
Your cookie settings

This store asks you to accept cookies for performance, social media and advertising purposes. Social media and advertising cookies of third parties are used to offer you social media functionalities and personalized ads. Do you accept these cookies and the processing of personal data involved?

Necessary cookies
Necessary cookies help make a website usable by enabling basic functions like page navigation and access to secure areas of the website. The website cannot function properly without these cookies.
Cookie name Provider Purpose Expiry
PHP_SESSID dev.livraria.aafdl.pt This cookie is native to PHP and enables websites to store serialised state data. It is used to establish a user session and to pass state data via a temporary cookie, which is commonly referred to as a session cookie. Session
PrestaShop-# dev.livraria.aafdl.pt This cookie helps keep user sessions open while they are visiting a website, and help them make orders and many more operations such as: cookie add date, selected language, used currency, last product category visited, last seen products, client identification, name, first name, encrypted password, email linked to the account, shopping cart identification. 480 hours
rc::a Google This cookie is used to distinguish between humans and bots. This is beneficial for the website, in order to make valid reports on the use of their website. Persistent
rc::c Google This cookie is used to distinguish between humans and bots. Persistent
Marketing cookies
Marketing cookies are used to track visitors across websites. The intention is to display ads that are relevant and engaging for the individual user and thereby more valuable for publishers and third party advertisers.
Cookie name Provider Purpose Expiry
ads/ga-audiences Google These cookies are used by Google AdWords to re-engage visitors that are likely to convert to customers based on the visitor’s online behaviour across websites. Session
fr Facebook Used by Facebook to deliver a series of advertisement products such as real time bidding from third party advertisers. 3 months
NID Google Registers a unique ID that identifies a returning user's device. The ID is used for targeted ads. 6 months
tr Facebook Used by Facebook to deliver a series of advertisement products such as real time bidding from third party advertisers. Session
VISITOR_INFO1_LIVE youtube.com Tries to estimate the users' bandwidth on pages with integrated YouTube videos. 179 days
YSC youtube.com Registers a unique ID to keep statistics of what videos from YouTube the user has seen. Session
yt-remote-cast-installed youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Session
yt-remote-connected-devices youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Persistent
yt-remote-device-id youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Persistent
yt-remote-fast-check-period youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Session
yt-remote-session-app youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Session
yt-remote-session-name youtube.com Stores the user's video player preferences using embedded YouTube video Session
_fbp Facebook Used by Facebook to deliver a series of advertisement products such as real time bidding from third party advertisers. 3 months
Performance cookies
Cookies used specifically for gathering data on how visitors use a website, which pages of a website are visited most often, or if they get error messages on web pages. These cookies monitor only the performance of the site as the user interacts with it. These cookies don’t collect identifiable information on visitors, which means all the data collected is anonymous and only used to improve the functionality of a website.
Preference cookies
Preference cookies enable a website to remember information that changes the way the website behaves or looks, like your preferred language or the region that you are in.
Statistic cookies
Statistic cookies help website owners to understand how visitors interact with websites by collecting and reporting information anonymously.
Cookie name Provider Purpose Expiry
collect Google It is used to send data to Google Analytics about the visitor's device and its behavior. Track the visitor across devices and marketing channels. Session
r/collect Google It is used to send data to Google Analytics about the visitor's device and its behavior. Track the visitor across devices and marketing channels. Session
_ga Google Registers a unique ID that is used to generate statistical data on how the visitor uses the website. 2 years
_gat Google Used by Google Analytics to throttle request rate 1 day
_gat_gtag_UA_* Google Used to throttle request rate. 1 minute
_gd# Google This is a Google Analytics Session cookie used to generate statistical data on how you use the website which is removed when you quit your browser. Session
_gid Google Registers a unique ID that is used to generate statistical data on how the visitor uses the website. 1 day
Content not available